20jan

Imóveis com espaço para Home Office viram tendência e conquistam compradores  

A pandemia do novo Coronavírus forçou a população a mudar radicalmente seus hábitos. Com o isolamento social, muitas pessoas passaram a trabalhar em regime Home Office para evitar aglomerações nas empresas. No último levantamento divulgado pelo IBGE, no último mês de setembro cerca de 8,073 milhões de brasileiros estavam trabalhando remotamente. Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad Covid-19), voltada especificamente para a pandemia.

Essa mudança de comportamento atingiu também os compradores de imóveis. De acordo com a diretora de marketing da Realmarka Construções, Jacqueline Grippe, a procura por apartamentos com espaços para Home Office cresceu substancialmente em 2020 e segue como tendência em 2021. “Desde o início da pandemia, percebemos a preocupação dos compradores em adquirir imóveis funcionais, com espaços adequados às necessidades do dia a dia. Como muitos estão trabalhando em Home Office por conta da pandemia, boa parte de nossos clientes têm procurado apartamentos com esses espaços para montar seu escritório em casa”, conta a empresária.

Um exemplo dessa mudança nos hábitos de consumo é o do produtor rural Airton Ramiro. Nascido em Curitiba, mas atualmente morando no Mato Grosso por conta da profissão, ele adquiriu um apartamento no edifício Prudenza, na capital paranaense. O fato do imóvel ter um local destinado ao Home Office ajudou na escolha. “Minha vida profissional eu fiz toda em Curitiba, meus filhos moram na cidade. Então eu decidi investir em um imóvel para ficar perto da minha família, e que dispusesse de um espaço para eu trabalhar de casa. Eu administro no Mato Grosso uma cooperativa de produtores rurais, e a gente consegue desenvolver esse trabalho à distância, pela internet. Com o Home Office, eu vou ter um espaço adequado para administrar meu negócio no meu próprio apartamento, e isso faz muita diferença”, afirma Ramiro00

Especialistas do setor também perceberam essa mudança nos hábitos dos consumidores. Para o presidente da Associação dos Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário do Paraná (Ademi-PR), Leonardo Pissetti, a casa foi intensamente compartilhada com o trabalho, sobretudo no último ano. “As construtoras e incorporadoras já estão atualizando seus projetos imobiliários para atender essa nova exigência do comprador quanto à tecnologia e espaço de trabalho. Isso se acentuou com a pandemia e tende a prosseguir, já que muitas empresas devem continuar com o sistema de home office, pelo que percebemos”, afirma Pisseti.